23 dezembro 2005

Bom Natal

Aproveito este espaço, para desejar a todos os meus amigos, um Feliz Natal com saúde e com tudo a correr pelo melhor.

18 dezembro 2005

Sangue novo

Chegou sexta-feira a Lisboa a mais recente aquisição da minha família. É luso-eslovena e tem apenas 9 meses e vem passar o seu primeiro Natal à terra do pai. Chama-se Kaja (lê-se Kaia) e tem sido muito solicitada nestes dois dias que tem estado cá em Portugal.
Eu a pensar que a árvore de Natal do Terreiro do Paço iria ser a grande novidade do Natal de 2005, enganei-me, e directamente da Eslovénia chegou a minha prima em segundo grau (filha do meu primo).
Ainda não a vi, pois ela tem tido uma agenda muito ocupada, mas estou curioso por a ver. Não sei bem é como irei comunicar com ela, é que o esloveno não é bem o meu forte. Seja como for a gente lá se há de safar.

05 dezembro 2005

Há um ano na blogosfera...

Faz hoje um ano que este blog se estrou na blogosfera. Primeiro esteve alojado aqui no Sapo e desde Setembro fez do Blogspot a sua casa. Contudo esta esta não foi a minha primeira incursão pela blogosfera.
Corria o mês de Maio de 2004, e um pouco influenciado pela minha mãe que havia criado um blog, decidi eu também criar um. Apenas teve um post e nem sequer chegou a ser divulgado. Na altura encontrava-me absorvido pelo trabalho da pós-graduação e do colégio onde então leccionava. Desta forma o projecto, teve o seu fim bem mais cedo do que o previsto.
No entanto, o bicho dos blogs ficou, e começou a crescer à medida que comecei a ver que o fenómeno se estava a generalizar. Faltava o click. Esse click, surgiu novamente por influências familiares, desta vez foi o meu irmão (que ao contrário da minha mãe já desistiu do dele, ela não).
Primeiro dei largas à imaginação, escrevendo por tudo e por nada, nunca faltando imaginação para nada. Depois, a minha participação foi-se reduzindo com o tempo. De facto nunca cheguei a pensar que o blog chegasse a durar um ano. Um ano para os computadores corresponderá concerteza à nossa terceira idade.
Mesmo sendo lido por poucos, isto serve também para eu deitar cá para fora certas coisa que não deito. Assim, vou tentar arranjar motivação para continuar a escrever por mais uns tempos.
Só tenho mesmo de melhorar o português mas isso já é pedir muito, é que eu nunca gostei muito dessa disciplina nem de ler (para desgosto dos meus pais) pois fico sempre a meio, limito-me a ler o Expresso e jornais desportivos.

04 dezembro 2005

E os últimos parabéns vão para ...

O meu blog cumpre hoje o seu 365º dia (sobre isso escreverei amanhã) e portanto não faz sentido voltar a repetir pedaços de histórias que tenham ocorrido com determinadas pessoas. Os primeiros aniversariantes tiveram mais tempo de antena, resultante da febre inicial do blog, outros que foram apenas mencionados e outros esquecidos, mas sem propósito. Outra coisa que aconteceu foi ao longo deste ano, e à medida que o tempo passava as palavras começavam a escassear, muito se começava a repetir. Daí ter decidido, acabar com os parabéns (pode haver sempre uma outra excepção, depende da circunstância), mas em princípio o Luís Lopes e o Pitas serão os últimos contemplados.

Luís Lopes

29 de Novembro - É um artista português. Ainda hoje, me pergunto o que andavas a fazer em Bioquímica quando és um predestinado para o desenho (vejam o site dele - carreguem em cima do nome). Desenhavas o nosso professor de Cálculo, Sarrico sempre com a sua camisa cheia de números , para meia faculdade, ele era batas, ele era quadro, deixava a tua marca por todo o lado. Se tivesses menos 10 anos punhas-te aí a fazer grafitis do velho Sarrico. Tu não tiveste olho para o negócio, senão a esta hora estavas rico. Por acaso nunca tive uma bata com um desenho teu, apenas terei ficado com uns esboços de uns desenhos nos cadernos, mas aonde isso já vai. De facto os teus desenhos são valiosos mas a tua amizade ainda é mais, e nisso orgulho-me em ter-te como amigo.

Pitas

4 de Dezembro - Outro bioquímico, outro emigrante, este de Itália. E por lá vai ficar. Fazes hoje 30 anos e deves estar a atravessar o melhor momento da tua vida numa terra que agora também é tua.
Se não eras o mais eras um dos mais novos do curso mas foste também o primeiro a despachar-te, a acabar o doutoramento e a iniciar o pós-doc. Apenas fez de ti um aluno aplicado, não um baldas como outros que escrevem blogs, até porque levaste a tua vida académica como outro aluno, só que sabias os limites.
Agora que estás por Itália ando eu por sítios que tu bem conheces enquanto aluno, pois é sou professor na escola onde estudaste. Pode ser que se deres um saltinho até Lisboa ainda antes do fim do ano lectivo me apanhes no local do crime.